Barra de vídeo

Loading...

sexta-feira, 15 de abril de 2016

Para Minha Amada Morta, de Aly Muritiba

.:: 39ª Mostra Internacional de Cinema em São Paulo ::.

Um dado inevitável nas análises sobre “Para Minha Amada Morta” vem a ser o fato de seu diretor, Aly Muritiba, ostentar em seu currículo a experiência como agente penitenciário. Foi na busca por uma evolução nesta função que teve acesso ao cinema, permitindo a si mesmo uma mudança profissional radical.
É uma curiosidade que soma ao seu repertório, uma vez que não se desassocia do que testemunhou nas prisões ao criar a sua ficção, inclusive nesta sua estreia em longa-metragem. Melhor assim: estamos diante de um contador de histórias que confere verdade ao seu drama passional com pinceladas de thriller urbano.
Provavelmente no melhor desempenho de sua carreira, Fernando Alves Pinto faz o seu personagem, Fernando, passar do luto à fúria em um piscar de olhos. Inconsolado com a morte prematura de sua esposa (Michelle Pucci), Fernando resgata as fitas de vídeo para assistir as recordações registradas, como o dia do casamento. Mas há também a gravação da intimidade de sua esposa com um amante, fazendo-o negligenciar o próprio filho (Vinicius Sabbag) em busca de respostas.
Elas o levam a Salvador (Lourinelson Vladmir), ex-presidiário que já sepultou o seu caso extraconjugal. Diz seguir uma vida correta como um trabalhador incansável com uma mulher (Mayana Neiva) e filha (Giuly Biancato) para manter. No entanto, o Fernando que bate à sua porta não vem para um acerto de contas imediato. Infiltra-se nesta família mentindo sobre um desejo de recomeço, hospedando-se no sobrado posto para aluguel e observando cada detalhe de sua rotina.
Além de organizar “Para Minha Amada Morta” em planos-sequências que tornam a tensão gradativa, Aly Muritiba encontra também nos gestos uma excelente ferramenta dramática. Cada instante em que Fernando manuseia algum objeto, como uma pá, soa como o prenúncio de que as coisas vão esquentar até explodir.
Há também um olhar clínico diante da realidade vivida por cada personagem. O encontro da fé cristã como solução para um passado errante é compartilhado por indivíduos com o perfil de Salvador, assim como é cuidadosa a descrição da passividade de sua esposa como a dona de um lar e de sua filha às voltas com as complexidades da adolescência. Não tão pulsante quanto “O Lobo Atrás da Porta“, mas ainda assim honesto com a sua quebra de expectativas.

Nenhum comentário:

Postar um comentário