Barra de vídeo

Loading...

terça-feira, 23 de fevereiro de 2016

CRÍTICA DE FILME | BONECO DO MAL

 Gabriel Meira 
MV5BMTc0MDY1OTc4M15BMl5BanBnXkFtZTgwOTk3NzA3NzE@._V1__SX1217_SY847_

 Nos últimos anos a indústria Hollywoodiana vem sendo muito criticada quando o tema é criatividade, porém o motivo dos produtores realizarem inúmeros filmes semelhantes não é pela falta de inventividade, mas simplesmente por entenderem que o cinema é um produto, onde a forma mais simples é a que tem mais chances de render um lucro mais significativo. Chucky, o “boneco assassino”, como ficou conhecido no Brasil, não foi o primeiro vilão em forma de boneco do cinema, mas causou uma tendência na época, esta que tentou ser retomada em alguns filmes como “Gritos Mortais” (2007), e a própria saga do boneco ” A Maldição de Chucky” (2013). No entanto, somente em 2014 com “Annabelle”, em seu largo sucesso de bilheteria devido a seu antecessor “Invocação do Mal”, que esta tendência foi retomada e Boneco do Mal (“The Boy” no original) tenta conseguir seu público através do sucesso que “Annabelle” conseguiu. Greta (Laura Cohen) é uma mulher de meia idade que sai dos Estados Unidos para se esconder de seu ex namorado após perder o bebê por sua causa, e consegue um emprego como babá na Inglaterra, porém o menino é apenas um boneco. O longa poderia manter um suspense inicial que traria um clima diferente do que é visto para todo o filme, caso a tradução nacional não entregasse o caráter do boneco. O gênero de terror é responsável pela maior parte dos rendimentos das pequenas produtoras, onde se pode gastar pouco com a produção e concentrar seus gastos com a divulgação do filme e com o cachê de um ou mais atores de destaque no momento da produção, desta vez Laura Cohen, a Maggie de The Walking Dead, tenta aproximar seus fãs as telas de cinema para assistir o boneco do mal, a mesma não consegue diferenciar Maggie de Greta, levando grande parte da construção da personagem da série para a do filme. Falar sobre O Boneco do Mal seria o mesmo que falar de “Annabelle” ou qualquer filme onde um boneco se torna o centro da criação do clima de suspense, mudando somente a sinopse, utilizando de toda a base comum, trilha entrando em momentos em que o espectador percebe segundos antes do mesmo, sustos repentinos, a mulher fragilizada acolhida pelo homem que a ajuda naquele clima de tensão, e desta forma, vamos vendo o mesmo filme, com nomes diferentes, e acontecimentos em ordens distintas, mas que não lembraremos daqui a algum tempo, mas se trata de uma indústria e indústria só sobrevive com dinheiro, mas já está na hora dos produtores do gênero entenderem , que é possível fazer um filme com identidade própria e lotando as salas de cinema, pois desta forma, estão assumindo sua incapacidade de unir os dois. FICHA TÉCNICA Título original: The boy Distribuição: Diamond Films Data de estreia: qui, 18/02/16 País: Estados Unidos Gênero: terror Ano de produção: 2015 Direção: William Brent Bell Roteiro: Stacey Menear Elenco: Lauren Cohan, Rupert Evans, Ben Robson


Todos os direitos reservados por Blah Cultural 2014. Este texto está protegido contra cópias. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário