Barra de vídeo

Loading...

quarta-feira, 14 de outubro de 2015

Livro: Onde Cantam os Pássaros, de Evie Wyld


ISBN: 9788566636529 | Tradução: Leandro Durazzo | Ano de Lançamento: 2015 | Número de Páginas: 240 | Capa Dura | Editora: Darkside Books | Classificação: ♥♥♥♥ 

Jake Whyte vive sozinha em uma velha fazenda, em alguma ilha britânica anônima, um lugar de chuvas incessantes e ventos violentos. Apenas ela, seu companheiro indomado, Cão, e um rebanho de ovelhas. Mas algo tem vindo atrás dos animais – de tempos em tempos algo surge à noite, arrebata uma ovelha e a faz em pedaços. Poderia ser qualquer coisa. Há raposas na mata, um rapaz estranho e um homem esquisito, rumores sobre uma fera obscura e formidável. E há o passado desconhecido de Jake, talvez invadindo seu presente, uma história escondida há anos e há milhares de quilômetros, em uma paisagem de cores e sons diferentes. Uma história contada nas cicatrizes que cobrem suas costas. 

Outra ovelha, mutilada e coberta de sangue, as vísceras ainda frescas e o vapor subindo dela como um pudim recém-cozido. Corvos esvoaçam e crocitam, com os bicos reluzentes, e quando agito meu cajado eles voam para as árvores, observando, abrindo suas asas. – Pág. 7

E assim começa Onde Cantam os Pássaros, de Evie Wyld, escritora nascida em Londres, em 1980. Evie é ganhadora dos prêmios literários: Rhys John Llewellyn, de 2009; Encore, de 2013; Franklin Miles, de 2014; e oEuropean Union Pize for Literarure, por Onde Cantam os Pássaros, em 2014, entre outros. Atualmente Evie vive em Brixton, Inglaterra, onde possui uma livraria. Ela também é autora do livro: After the Fire, A Still Small Voice (2009), seu primeiro romance. Foi aclamada pelo jornal The Dailly Telegraph como uma das 20 melhores escritoras britânicas.

Um estrondo veio de perto do meu quarto. O corrimão tremia enquanto eu voava escada acima. – Pág. 51

Bom, vamos lá! Primeiramente, a edição! Que show essa capa, hein?! É incrível, chamativa, quase hipnotiza a gente com essas gravuras e o tom rosa. E passando a mão pela capa têm-se a sensação de segurar uma camurça. Amei! E os detalhes internos então? Logo ao abrir a capa nos deparamos com um bando de ovelhas, menos uma: há uma silhueta em branco de onde está ausente uma das ovelhas. E isso se repete no final, na contracapa. A borda das folhas é toda pintada de negro, e dentro o livro tem um esmero gráfico de primeira. Um verdadeiro livro de colecionador.


Pena que nem todas as editoras têm esse mesmo primor gráfico com seus livros. Não digo todos os livros, mas bem que elas podiam caprichar um pouquinho mais e nos oferecer livros que podemos pôr na estante e dizer para os olho gordo: esse é da coleção! A Editora Darkside Books está de parabéns, só pela capa e o excelente acabamento gráfico o livro merece a nossa atenção e a sua leitura! Aliás, a capa desta edição brasileira tá dando um show de criatividade na capa inglesa.

Começo a ficar nervosa tão logo o sol de põe. – Pág. 147

Agora, como nem só de capa vive um livro, vamos ao que interessa: a história. E já de começo, achei-a interessante. Não é tudo aquilo que eu esperava, e que a sinopse e a capa enunciam, mas é uma boa opção no meio literário já saturado de romances repetitivos, recorrentes, clichês e copiões de sucessos já batidos.


Onde Cantam os Pássaros traz uma abordagem diferente, com uma trama bem bolada, personagens interessantes e um clima de suspense. Uma dica: Os capítulos ímpares falam do momento presente da vida de Jake Whyte, em ordem cronológica; já os capítulos pares, contam a vida pregressa de Jake, na ordem inversa… até onde eu entendi. E esses dois pontos, como dois pratos de uma balança, nos dão uma visão do porquê Jake estava vivendo naquele lugar. 

Aliado a isso temos a boa descrição que Evie faz de tudo, até mesmo do que não há tanta necessidade de ser descrito. Pecando por excesso ou não, Evie capricha na tentativa de fazer o leitor submergir na trama como se dela fizesse parte. Esses foram os aspectos bons do livro.

Os corvos se empoleiravam na copa das árvores. Seu negror contra a escuridão do céu me dava vontade de pegar a arma e afugentá-los. – Pág. 200

Um dos principais problemas da história e a falta de marcação na transição temporal. Passa-se algum tempo de leitura até descobrir-se que os capítulos se alternam entre tempo presente e passado, e cronologicamente de trás para frente e vice-versa. Um tanto confuso e cansativo!


Outra coisa é o excesso de palavrões. Tudo bem, eu não sou puritana. Acho que palavrões ou palavreados pesados são necessários quando a personagem e/ou a história, dentro do contexto, o exigem. Mas não a qualquer momento sem um motivo para isso, ou como se as pessoas não soubessem falar de outra maneira. O suspense poderia ter sido melhor trabalhado, já que o terror inexiste.

Da minha parte, acho que Onde Cantam os Pássaros está mais para um drama psicológico do que para um suspense psicológico. Isso porque tudo gira ao redor de Jake Whyte. Ela é o centro nevrálgico da trama, ao redor do qual circulam outras personalidades, as ovelhas, Cão e a fera sinistra que ronda a floresta.


Tirando-se esses aspectos negativos, Onde Cantam os Pássaros é um livro interessante, pois, como disse, traz uma opção de leitura um pouco diferenciado dos romances genéricos do momento.

Posso jurar que vejo um pássaro, brilhando em chamas, voar do alto de uma árvore e continuar subindo como se fosse um foguete para Marte. – Pág. 247

P.S.: Na avaliação da nota: estou considerando três estrelas para a história em si, mas adoraria considerar como quatro estrelas pelo excelente trabalho gráfico da Darkside que é de encher os olhos. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário