Barra de vídeo

Loading...

quinta-feira, 8 de outubro de 2015

CríticaFILME: Precisamos Falar Sobre o Kevin


Esse é o típico filme perturbador que, mesmo sendo perturbador, gostamos de ver. “Precisamos Falar Sobre o Kevin” (We Need to Talk About Kevin, 2011) foi baseado no livro de mesmo nome de Lionel Shriver. Trata-se da história fictícia sobre um massacre em uma escola dos Estados Unidos. A trama é contada a partir da mãe de Kevin (interpretado por Ezra Miller), Eva Katchadourian (Tilda Swinton), através de uma maneira muito interessante.
kevin2
Eva está em uma fase complicada da vida depois de ter vivenciado um trauma. O filme é composto por flashbacks que situam o espectador a respeito do drama que Eva passou desde que seu filho Kevin nasceu. Quando criança, Kevin apresentava um comportamento estranho, sempre observando a mãe de maneira cínica e cruel. No início, Eva não se preocupava, pensando que a crueldade passaria com o tempo. Porém, quando ela percebe que Kevin cresce daquele jeito, Eva começa a desenvolver uma apreensão. O pai de Kevin nega perceber tal comportamento, que aparenta ser exclusivo para irritar a mãe. Com todas as pessoas a sua volta Kevin comporta-se normalmente, mas com sua mãe ele é um verdadeiro tormento, por puro prazer. Durante todo o filme é perceptível a culpa que Eva atribui a ela mesma, junto com seus vizinhos, que a julgam por ter um filho tão terrível. Acredito que o próprio espectador culpe Eva pelos acontecimentos com Kevin, mas o filme traz uma reviravolta, de modo que a antipatia pelo personagem torna-se pena. É evidente a relação estranha entre mãe e filho, e apesar de Eva não amá-lo incondicionalmente como uma mãe ama um filho, ela se esforça bastante.
kevin1
É interessante pensar que Kevin desenvolveu sérios problemas psicológicos e psiquiátricos, mas a única pessoa que chegou perto de perceber isso foi sua mãe. Com a chegada de uma irmãzinha, o distúrbio de Kevin piora. Me questionei sobre os sentimentos de Kevin pela menina, se a crueldade é apenas uma imagem criada para chamar atenção, ou se aquele personagem é incapaz de ter carinho por alguém. Mas em certos momentos, é possível acreditar que Kevin tenha adquirido algum sentimento bom pela garota. É difícil discutir a natureza de um personagem tão complexo como Kevin.
Miller incorporou o personagem com todas as suas forças. Não consigo pensar em um melhor ator para interpretá-lo. Ele o captou com frieza e deu o toque certo de crueldade e desprezo que definem Kevin. Um garoto com problemas, que precisava de algum tratamento médico. Swinton também acertou na interpretação de Eva. O desespero da personagem, a tristeza que define a sua vida atual, mãe de um filho problemático, mãe do causador de uma tragédia que abalou muitas pessoas. É possível sentir a culpa de Eva, que, aos seus próprios olhos, torna-se merecedora de punições. E apesar de tudo, Eva continua tentando entender a mente de seu filho, sem julgá-lo ou odiá-lo.
kevin3
Dirigido por Lynne Ramsay, “Precisamos Falar Sobre o Kevin” é forte e perturbador, e não economiza em cenas chocantes. E acredito que esse seja o propósito do filme, deixar o espectador assustado e demonstrar o pesadelo que vive aquela mulher. Até porque, o filme é contado a partir das experiências da mãe. Se pudéssemos ver o filme a partir dos pensamentos de Kevin, seria totalmente diferente. Portanto, esteja preparado para se surpreender! O filme nos traz grandes reflexões que podem gerar horas de discussão.

Nenhum comentário:

Postar um comentário