Barra de vídeo

Loading...

quarta-feira, 9 de setembro de 2015

Livro: O SOL É PARA TODOS de HARPER LEE

Editora José Olympio, ano 2015
categoria - Romance
Esta resenha não é bem uma resenha; na verdade, ela é o relato de um reencontro entre amigos. Vou explicar melhor: li este livro pela primeira vez quando tinha doze anos de idade. Fiquei fascinada pelos história, e minha mente de pré-adolescente, que se impressionava com muita facilidade, apaixonou-se pelos personagens. Eu também queria conhecer pessoalmente Boo Radley, o recluso que morava próximo da casa dos Finch. Desejei poder ser amiga de Jem e Scout Finch, as crianças curiosas das quais Calpúrnia, a criada negra, ajudava Atticus Finch a cuidar. Eu quis viver naqueles conturbados anos da Primeira Guerra, durante os quais aquelas pessoas viviam.

Eu era apenas uma criança, e tive que reler várias passagens para poder compreender melhor o que estava acontecendo na história, pois não estava familiarizada com julgamentos ou com certos conceitos e termos. Hoje, eu sei que o foco principal da história foi o fato de um advogado branco defender um homem negro acusado de estupro, e isto, no Alabama, onde reinavam o preconceito e a Ku-klux Klan. Mas, naquela época, o meu foco eram as crianças e suas aventuras. Confesso que desenvolvi uma paixonite por Boo Radley, e cheguei até mesmo a sonhar com ele uma noite.

Ao terminar de ler o livro, tive que devolvê-lo, pois não me pertencia, e foi como despedir-me de pessoas reais das quais eu tinha aprendido a gostar muito, e eu o fiz com grande pesar. Durante anos, tentei adquirir um novo exemplar em sebos e mais tarde, pela internet, mas só consegui há um mês, na livraria virtual da amazon. com. Encomendei a edição de papel, pois queria ter a mesma sensação que tive ao ler o livro pela primeira vez.

Estava um pouco apreensiva; será que ao reler o livro, agora como uma mulher adulta, eu perceberia que era apenas mais um livro? A magia da primeira leitura teria sido apenas fruto da imaginação fértil de uma criança?


No filme de 1962, Robert Duval interpretou Boo Radley...


...E Gregory Peck ficou com o Oscar de melhor ator interpretando Atticus Finch


Finalmente, o livro chegou, e assim que pude, comecei a lê-lo. Mal o tinha aberto, e pareci ter entrado nas páginas e reencontrado velhos amigos, dos quais eu me lembrava com saudade, e abracei-os um a um. A minha paixonite, desta vez, não foi por Boo Radley, mas por Atticus Finch, o advogado que defendeu Robinson. As crianças, que permaneceram crianças, despertaram-me uma ternura diferente, e finalmente, pude compreender Tia Alexandra e sua quase obsessão em proteger Scout e Jem. Eu não gostara muito dela na primeira leitura.

Ao terminar o livro, agora com uma compreensão bem mais abrangente de tudo o que o autor tentou mostrar, fiquei feliz ao perceber que a magia não morreu: pelo contrário, ela aumentou, ganhando novos significados.

O Sol é Para Todos é um livro que deveria ser lido por todo mundo, crianças e adultos, e debatido em salas de aula e grupos de leitura. Ele ensina a compreensão, a reflexão e a tolerância, num mundo onde todas as conclusões são tomadas rapidamente e sem maiores considerações. Ele ensina o valor da amizade, dos bons vizinhos e da gratidão. Desnecessário dizer que é uma linda história, mas direi assim mesmo.

Nenhum comentário:

Postar um comentário